Storytelling – Um guia completo para contar histórias que vendem

Storytelling – Um guia completo para contar histórias que vendem

O termo que se tornou muito comum entre os especialistas em marketing é o storytelling.

Essa técnica tem gerado altos faturamentos para quem sabe e domina essa arte, que é contar histórias

O ser humano é um contador de história nato.

E o storytelling dá vida a um cenário, provocando sentimentos como: tristeza, alegria, paz, êxtase, raiva e muito mais.

Gerar esses sentimentos em sua audiência cativa e cria conexões.

Compartilhar situações de sucesso, estudos de caso, e até mesmo episódios de fracasso, irão construir seu relacionamento com os clientes.

Quer aprender mais sobre isso?

Vem comigo nesse artigo, e você irá ver tudo que precisa para criar histórias que vendem.

Boa leitura!

 

O que é Storytelling?

O que é Storytelling 300x114 - Storytelling - Um guia completo para contar histórias que vendem

Em termos de significado da palavra, o storytelling é uma palavra inglesa que se traduz como “narrativa”.

Dentro do mundo dos negócios é comumente conhecida como a arte de contar uma ideia ou evento, usando palavras, sons e imagens.

Compartilhar uma história verdadeira, mostra autenticidade para seu público.

Inserir elementos que ajudem o espectador a viver a história, gera conexões mais profundas.

Veja alguns exemplos para cada formato de entrega de conteúdo:

  • Artigo – Utilizar imagens que remetam ao que está sendo falado.
  • Vídeo – Aqui é possível combinar, imagens, escrita e sons.
  • Podcast – Sons ou músicas ao fundo, que gerem emoções no ouvinte.

 

 

Por que o storytelling é importante para seu negócio?

Storytelling 1 300x114 - Storytelling - Um guia completo para contar histórias que vendem

Já notou que as pessoas têm lido menos?

E que geralmente elas apenas passa os olhos e vão embora?

É aí que entra o storytelling.

Quando se domina essa arte de contar histórias, você aprende gerar ligação com seu público.

É mais fácil prender a atenção das pessoas através de histórias, do que qualquer outra coisa. 

Por isso, o storytelling é essencial para o sucesso de criadores de conteúdo.

 

 

Os 7 componentes para criar histórias memoráveis

Componentes do Storytelling 300x114 - Storytelling - Um guia completo para contar histórias que vendem

Parece muito simples quando falamos “contar histórias”.

Mas nosso propósito não é apenas narrar algo que aconteceu.

Aqui queremos criar conexão e fazer o leitor ou ouvinte embarcar conosco em uma jornada.

Por isso o storytelling precisa conter alguns elementos importantes, que irão fazer isso.

Tome nota: 

 

1 Desejo 

Toda história precisa ter um objetivo, uma motivação, um propósito, que leve a todo o porque dos eventos que irão acontecer.

Essa motivação precisa estar clara e deve ser mencionada logo no início da sua história.

Um exemplo:

Digamos que eu fosse contar minha história com o Marketing Digital, e meu maior desejo era ter mais tempo livre com minha filha, e poder trabalhar onde eu quisesse.

Esse desejo que vai mover todo o trajeto da história.

 

2 Problema

O problema é o obstáculo que te impede de alcançar seu objetivo (desejo).

Ele pode aparecer de 3 formas:

Exemplo no nicho de relacionamento.

  • Externo – Meu marido trabalha fora.
  • Interno – Eu fico muito tempo sozinha.
  • Filosófico – Por que isso acontece comigo?

Assim que o desejo é apresentado, ele deve ser seguido do problema.

É a partir dele que virão as próximas etapas da história.

 

 

3 Mentor

Este é um personagem de grande importância na história. O mentor é aquele que vai guiar o personagem principal a atingir seu desejo.

E esse mentor não necessariamente precisa ser uma pessoa, pode ser livros, palestras, treinamentos, cursos.

É o meio ao qual te leva a superar os obstáculos (problema) e te faz atingir o objetivo (desejo).

Deste modo, o mentor pode sim, ser uma pessoa ou qualquer outro meio que te faça atingir o que se almeja.

 

4 Plano

O plano, como o próprio nome sugere, é o passo a passo, o projeto que você vai seguir para alcançar o objetivo.

Quanto mais claro e específico for, é melhor.

Essa fase do storytelling tem como missão, mostrar qual o próximo passo, qual a solução para aquele problema em questão.

 

5 CTA

As famosas CTA’s (Call to Action – Chamada para Ação), também tem espaço dentro das histórias.

Esse momento em que a pessoa está envolvida com a situação que você acabou de contar, é perfeito para convidar o público a sair da zona de conforto e e fazer algo.

A pessoa precisa se sentir desconfortável a ponto de querer fazer algo para mudar, o que pode levar ela a fazer uma compra, por exemplo.

 

6 Fracasso

Nessa parte, você mostra tudo que pode dar errado caso o leitor/ouvinte não tome uma atitude que foi sugerida na CTA.

Aqui mostramos as consequências da falta de ação, que pode ser, por exemplo:

  • Nunca realizar seu sonho.
  • Nunca ter um relacionamento de sucesso.
  • Não conseguir algo.

Esse fracasso, vai estar ligado diretamente ao nicho de mercado que você estiver atuando, e claro ter ligação com a história contada.

A ideia central dessa fase e mostrar o que a pessoa irá “perder” caso não faça o que a CTA recomenda.

 

7 Sucesso

Histórias de sucesso terminam com finais felizes, e assim será a sua também.

Feche mostrando benefícios e transformações.

Quando o leitor enxerga todos benefícios que terá, ele se sente mais motivado a tomar uma decisão e fazer o que você sugere na CTA.

 

As estruturas do storytelling que mais geram conexão

Estruturas do Storytelling 300x114 - Storytelling - Um guia completo para contar histórias que vendem

Existem algumas estruturas no storytelling, que são as queridinhas quando o assunto é criar conexão.

Veja quais são elas:

 

A jornada do herói

A pessoa tem uma vida absolutamente normal, quando de repente surge um chamado para uma aventura.

De início resiste a esse chamado, mas depois acaba indo no momento em que encontra um mentor (lembra que esse mentor, não necessariamente é uma pessoa, pode ser cursos, treinamentos, livros, estudos).

Após aceitar a missão se depara com diversos obstáculos e problemas.

Então essa pessoa se prepara para uma grande mudança.

Supera todas dificuldades e desafios.

Volta a sua vida normal, porém agora é fonte de inspiração para outros.

 

 

A jornada do idiota

Aqui você começa falando dos seus erros, tropeços e fracassos.

Relembre como foi o início da sua trajetória, conte seus erros mais bobos.

Não se sinta constrangido em falar sobre isso.

Incentive outras pessoas a fazerem mais.

E reforce no final que “nem sempre foi assim”.

 

Herói por acidente

Você tinha um problema e descobre como resolve-lo.

A partir disso começa a ajudar amigos e pessoas próximas.

Essas pessoas que foram ajudadas começam a espalhar essa notícia, então outras pessoas começam a buscar sua ajuda também.

Você sempre mostra que é uma pessoa comum, como as outras.

 

Um inimigo comum

Esse tipo de narrativa, gera conexão facilmente pelo fato de criar comunidades com opiniões em comum.

A estrutura é mostrar que se o leitor não é um dos nossos, está contra nós.

Um segredo guardado pelos inimigos, onde eles não querem que você saiba.

Depois mostra que a culpa não é sua.

Reforça mais uma vez que o leitor não é um deles.

 

Nós somos parecidos

A ideia aqui é criar conexão usando similaridade, eu sou como você, somos parecidos, eu entendo você.

Mostre que você e o leitor tem os mesmos medos e mesmos sonhos.

Depois fale como encontrou uma solução para um problema e justifique o porquê resolveu compartilhar a solução com todos.

 

 

Do fracasso a Fama

Você tinha um problema e descobre como resolver, mesmo sendo uma pessoa comum.

Deixa claro para sua audiência que entende o que ele passa, e que também tinha medo e insegurança.

Mas algo aconteceu, você fez uma descoberta e agora quer que outras pessoas também saiam do fracasso até fama.

Conheça os 5 erros do Storytelling

5 Erros do Storytelling 300x114 - Storytelling - Um guia completo para contar histórias que vendem

Existem alguns erros que são considerados os pecados capitais de uma história e que pode destruir completamente sua reputação perante sua audiência.

Veja quais são para você não cair nesse equívoco.

 

1 Prepotência

Não está aberto a críticas, pode atrapalhar a resolução de problemas que talvez não esteja visível a você, mas está para sua audiência.

“Há muitos anos atrás, um imperador gastava tudo que tinha com roupas. Ele era um apaixonado por peças exclusivas.

Sabendo disso, um belo dia um vigarista foi até a cidade do imperador e fingiu ser um famoso tecelão, e sua especialidade era fazer peças invisíveis, que somente os inteligentes podiam ver.

Assim sendo, o imperador fez sua encomenda.

Quando o traje chegou, ninguém quis dizer ao imperador que não via as roupas, para não ser um tolo. Inclusive o Imperador, não quis assumir que nada havia em seu corpo.

Somente em um grande desfile feito na cidade, uma criança exclamou:

 – O imperador está nu.”

Essa historia ilustra bem, um exemplo de prepotência.

Não seja assim, ouça sempre os feedbacks, muitas melhorias podem ser feitas a partir deles.

 

2 Vaidade

A lenda de Narciso exemplifica bem como a vaidade pode ser perigosa.

A lenda diz que Narciso era um homem de tamanha beleza que todos se apaixonavam por ele.

Um dia ele viu seu reflexo na água de um rio e se apaixonou por si mesmo.

Narciso acabou morrendo afogado na tentativa de alcançar seu próprio reflexo na água.

Ficar o tempo todos mostrando suas próprias conquistas e dizer o quanto você é melhor que os outros, pode ser um tanto perigoso.

Foque mais em sua audiência (você) que em você mesmo (eu).

 

3 Malícia

As famosas fórmulas mágicas, que trazem resultados inacreditáveis em pouco tempo, estão sendo disseminadas por todos os lados, pelos falsos gurus.

Infelizmente pessoas de mal caráter e sem nenhuma ética existem.

E talvez você siga um modelo desses onde não tem nenhum fundamento e conta histórias que não são reais, resultados falsos apenas para fazer vendas.

Não faça isso!

Esse tipo de atitude pode até surtir um resultado, mas a verdade sempre vem a tona.

Não queime seu filme.

 

4 Zueira

Já disse aqui outras vezes, que um pouco de humor em seu conteúdo é sempre bem vindo.

Mas como tudo tem limites, a zueira também tem.

E isso vai depender muito de como é sua audiência.

“O rei You, cuja esposa quase nunca ria, fazia de tudo para fazer sua rainha sorrir.

Após tentar de tudo, o rei acendeu os faróis que avisavam a vinda de ataques inimigos, assim, todos os nobres eram enganados sobre o falso alerta e sua esposa ria muito disso.

Essa brincadeira desencadeou na perca de alianças e acabou com sua confiança, já que seus aliados não sabiam quando o ataque era real ou apenas uma piada.

E de fato, quando o chamado foi real ninguém apareceu e o rei You foi assassinado.”

Quando os limites da zueira são ultrapassados você pode perder seu posicionamento como autoridade.

Ao invés de ser visto por sua audiência como uma autoridade bem humorada, você se torna visto como um palhaço que só fala bobagens.

 

5 Ilusionismo

Parece com a malícia, mas nesse caso a proposta de venda é cheia de falsos elementos, não tem honestidade ou sinceridade.

A pessoa cria cenários que geram uma ilusão, no intuito que o leitor apenas faça a compra.

No início a pessoa pensa que tudo aquilo é incrível, somente depois ela percebe que tudo não passava de uma ilusão. 

 

 

 

Como ser um bom storyteller?

Como ser um bom storyteller 300x114 - Storytelling - Um guia completo para contar histórias que vendem

Agora que você já conhece algumas estruturas, elementos que devem e não devem ser usados em suas histórias, chegou a hora de pôr a mão na massa.

Da mesma forma que você aprendeu na escola, que todo texto precisa ter início, meio e fim, assim também é no storytelling.

Comece sempre apresentando os personagens ou protagonistas da história.

O meio é a maior parte, e é onde você conta todo trajeto do problema até encontrar uma suposta solução.

E por fim, o protagonista precisa tomar uma decisão que o leva a essa solução encontrada, dizendo como foi seu resultado após a decisão escolhida.

As estruturas podem ser escolhidas de acordo com o propósito da sua história, com seu público.

O importante é que seja verdadeiro e genuíno com sua audiência.

Contar histórias de outras pessoas, ou suas próprias histórias de forma que sua audiência se conecte, irá criar laços entre vocês, e certamente seu público lembrará sempre de você.

O contador de histórias!

Ebook gratis Instagram 2 300x114 - Storytelling - Um guia completo para contar histórias que vendem

 

O dia em que storytelling me conectou

Certa vez eu estava participando do lançamento de um produto do Roberto Altenhofen, sócio da Empiricus.

E eu não sei se você conhece a estrutura de um lançamento, mas resumindo, geralmente você participa de 3 vídeo aula ou webnários, que te conduzem para fazer a compra do produto ao final dessa sequencia.

Então comecei assistir o primeiro vídeo do Roberto, e a história que ele contou foi de um músico que iria fazer uma grande apresentação, porém tinham levado o piano errado, e pior, estava cheio de defeitos.

Eu não vou contar toda a história do músico aqui, porque mesmo se eu quisesse eu não conseguiria reproduzir a emoção que foi passada através da voz, da música de fundo e todas as imagens que o vídeo continha.

Eu só queria compartilhar com você que naquele dia o Roberto conseguiu criar um conexão comigo tão grande, através da história, que foi algo inexplicável.

Os grandes players do mercado digital são bons contadores de histórias, pois eles sabem o quanto elas geram conexão.

E eu espero profundamente que esse artigo tenha te inspirado a começar usar essa estratégia em seu negócio também.

Na verdade, o storytelling não é útil somente nos negócios, ele pode e deve ser aplicado em sua vida pessoal também.

Se divirta contando histórias e faça muitas vendas. 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.